Tonolucro
Cleber Toledo
Blog CT
Cleber Toledo é jornalista desde 1992, com passagens por jornais em Paraná, São Paulo e Tocantins. Fundador do Portal CT.

Eduardo diz que não foi à festa de Walter Jr para “incomodar”, nem "disputar espaço político"

CLEBER TOLEDO 23 de Aug de 2017 - 13h40
Comparilhe
Foto: Dicom AL/Divulgação
Sobre a alegação do grupo do prefeito Carlos Amastha, de que ele não convidou o ex-vereador Walter Júnior para o PSB no sábado, 19, devido à presença do deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM), o parlamentar disse ao blog que estava na festa de aniversário da irmã do anfitrião por conta da amizade dele e do pai, o ex-governador Siqueira Campos (sem partido), com a família. “Uma amizade de muito tempo, de antes mesmo da criação do Estado”, contou Eduardo.

Ele ressaltou que não foi à festa com objetivos político-partidários. “Não estava lá para incomodar terceiros, nem para disputar espaço político, mas simplesmente por ter sido convidado para a festa havia dois meses”, afirmou Eduardo.

Aliados de Amastha disseram que ele não convidou Walter Júnior para se filiar ao PSB por ter se sentido “desconfortável" pela presença de Eduardo na festa de aniversário da irmã do ex-vereador e ex-candidato a prefeito de Gurupi, que deixou o PSDB em junho, quando soube que os tucanos conversavam com seu adversário, o prefeito Laurez Moreira.

Presidente do PRTB diz que conversa com Rede e PMB construção de “via alternativa"

CLEBER TOLEDO 23 de Aug de 2017 - 13h24
Comparilhe
O presidente regional do PRTB, Júlio Fidelix, afirmou em nota ao blog que o partido está discutindo a formação de via alternativa para o Estado com o Rede Sustentabilidade, com Partido Militar Brasileiro (PMB) e outras siglas. Mas, ao contrário do que afirmou o vice-presidente da legenda, Marcos Ayres, não há nada definido, porque se se tratou apenas de uma consulta.

Segundo Fidelix, essa via alternativa excluiria "políticos com mandato e 'velhas raposas’” e teria como pano de fundo "provável" apoio ao pré-candidato a governador Marlon Reis (Rede). Também discordando de Ayres, o presidente da legenda afirmou que não foi conversado sobre a participação do prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB), no grupo.

Confira a seguir a íntegra da nota:

"NOTA DE ESCLARECIMENTO

O PARTIDO RENOVADOR TRABALHISTA BRASILEIRO, PRTB, através de seu Presidente Júlio Fidelix, vem a público, no interesse de seus correligionários e aliados, especialmente os organizadores do Partido Militar do Brasil no Tocantins com os quais mantém estreita relação de confiança e respeito, esclarecer nota divulgada no sitio Cleber Toledo em 16/08/2017, que fez o seguinte destaque :

01- “Apoio do PRTB a pré-candidatura de Marlon Reis, do Partido Rede, ao Governo do Estado” ;
02- “Aceite do Partido à participação do Prefeito de Palmas Carlos Amastha e do PSB
03- “Via alternativa política para o Estado com exclusão dos Marcelistas e Siqueiristas”.

ESCLARECIMENTO:

1- É de Autoria e exclusiva responsabilidade do Vice-Presidente, Marcos Aires, o teor e a divulgação da referida Nota;

2- Quanto ao aceite da participação do Prefeito Amastha e do PSB no processo, não houve proposta nesse sentido, portanto nada temos a declarar.

3- O PRTB respeita e mantém diálogo institucional com as pessoas e partidos citados na Nota, inclusive, de alguns deles foi parceiro em e Eleições recentes.

PAUTA

O assunto abordado em Pauta foi consulta sobre possível estreitamento de relação política partidária entre o PRTB, o Partido Rede e outros Partidos, no sentido de criação de Via Alternativa, com exclusão natural de políticos com mandato e “velhas raposas – sem especificação de nomes em especial”, tendo como pano de fundo “PROVÁVEL” apoio à Pré-Candidatura de Marlon Reis para as Eleições 2018.

CONCLUSÃO

Embora sejamos simpáticos a apoiar a proposta de formação da Via Alternativa e conjuntamente seguirmos com o Partido Rede, Marlon Silva e outros Partidos nesse Projeto, longe estamos de aprová-lo de forma cabal e definitiva, pois necessário e obrigatoriamente temos que passar pelo crivo de uma CONVENÇÃO para oficializar tal COLIGAÇÃO. – Antes porém, para encaminhar tal PROPOSTA à CONVENÇÃO, que ainda é uma probabilidade, imperativo se torna, OUVIR O PARTIDO MILITAR DO BRASIL, JÁ AUTORIZADO OFICILMENTE A COMPOR TAL PARCERIA.

1) Nesse diapasão, nenhuma decisão do Partido que envolva eventuais coligações com chapa majoritária poderia ser oficializada nesse primeiro momento, e só será decidida futuramente em conjunto com o PMBR, que já trabalha com o PRTB para construir candidaturas à majoritária e proporcional com proposta de CHAPA PURO SANGUE, inclusive, já há propositura de nomes em andamento que a seu tempo serão divulgados em data oportuna.

2) O PRTB, segue alinhado com o Partido dos Militares do Brasil, com 20 Pré-candidaturas a Deputado Estadual e 2 Pré-Candidaturas a Deputado Federal, postas, com ênfase a CHAPA PURO SANGUE até decisão em Convenção.

Júlio Fidelix
Presidente do PRTB Regional/TO"

Com Marcelo no Japão e Cláudia na Indonésia, Carlesse assumirá Palácio em setembro

CLEBER TOLEDO 23 de Aug de 2017 - 12h43
Comparilhe
Foto: Dicom AL/Divulgação
O presidente da Assembleia, Mauro Carlesse (PHS), pré-candidato a governador, vai assumir o comando do Palácio Araguaia. Não se trata de golpe, nem de cassação do titular. É que o governador Marcelo Miranda (PMDB) viajará ao Japão entre os dias 15 e 28 de setembro e a vice Cláudia Lelis (PV), para a Indonésia, entre 21 de setembro de 4 de outubro. Assim, Carlesse deve ficar no comando do Tocantins entre 21 e 28 de setembro.

Marcelo vai para Tóquio, onde ocorrerá o seminário Tocantins-Agro, visitará o Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas, a Japan External Trade Organization (Jetro), o Japan Bank for International Cooperation (JBIC); e participará de rodadas de negócios com representantes da Mitsubishi Corporation, Mitsui Corporation, Toyota Tsusho Corporation, Marubeni Corporation, Itochu Corporation, Sumitomo Corporation, Mayekawa, Nipponham Foods e Nippon Koei Consultants.

Com o governador seguirão o senador Vicentinho Alves (PR), a deputada federal e primeira-dama do Estado, Dulce Miranda (PMDB), o chefe do Escritório de Representação em Brasília, Renato de Assunção e o secretário do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária, Clemente Barros. Ainda seguirão sem ônus para o Estado o presidente da Federação das Indústrias do Tocantins (Fieto), Roberto Pires, o diretor da Valor da Logística Integrada (VLI), Edson Zacarias, o secretário-executivo da Câmara de Comércio Brasil/Japão, Fujiyoshi Hirata, e o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Eduardo de Carvalho Lago Filho.

Mudanças climáticas
A vice-governadora Cláudia Lelis e a secretária estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, e Luzimeire Ribeiro de Moura Carreira, vão a Balikpapan, Província de Kalimantan do Leste, na Indonésia, onde participam da reunião anual do Fórum Global de Mudanças Climáticas dos Governadores para Clima e Floresta (GCF), dedicada ao estabelecimento de parcerias concretas para as economias verdes, com ênfase na produção sustentável de commodities.

Empréstimo para fins eleitoreiros

CLEBER TOLEDO 23 de Aug de 2017 - 09h35
Comparilhe
Foto: Dicom AL/Divulgação
Deputados, governo, prefeitos e Caixa se reúnem nesta quarta para o rateio da parte que caberá aos municípios

Mais uma vez quero remar contra a correnteza e discordar do fim que está sendo dado ao empréstimo de R$ 453 milhões junto à Caixa Econômica Federal. Distribuir ao bel-prazer dos prefeitos grande parte desses recursos, às custas de maior endividamento de um Estado já penalizado por anos de mau planejamento, é de uma irresponsabilidade monumental. Como a coluna já defendeu, essa operação só se justificaria para investimentos em obras estratégicas que ou aumentarão a capacidade de arrecadação do Estado, ou reduzirão seus custos operacionais.

Os deputados, governo, prefeitos e Caixa se reúnem nesta quarta-feira, 23, para o rateio da parte que caberá aos municípios. Mas esses dois pressupostos que deveriam balizar as definições sobre o empréstimo sequer estão em pauta. O único elemento à mesa para o debate são as eleições de 2018. É a orientação exclusiva: agradar bons cabos eleitorais.

Ou seja, os interesses e dificuldades vividas pelo Estado, que deveriam ser os norteadores fundamentais dessa discussão, estão engavetados. O Tocantins, que já paga cerca de R$ 450 milhões de juros por ano, vai aumentar este passivo para atender interesses eleitoreiros.

Ninguém está aqui ignorando as dificuldades vividas pelos municípios. Ao contrário, a coluna sempre tem defendido que é preciso repensar a distribuição de recursos com um novo Pacto Federativo, uma vez que o cidadão não vive no governo federal e no Estado, dois entes abstratos, mas na cidade. É nela que ele trabalha, educa seus filhos, faz suas compras e paga seus impostos.

Porém, não é essa a preocupação que se vê. Até porque esses recursos não estão sendo destinados ao custeio das prefeituras, a maior dificuldade dos municípios, e nem poderia sê-lo. Mas, no que caberá aos prefeitos nesse quinhão dos recursos da Caixa, as obras são meramente de interesse municipal, em sua grande maioria, sem qualquer conexão com políticas estratégicas para o Estado.

Podem ser investimentos muito importantes aos municípios, mas não dizem respeito ao governo do Tocantins, que poderia até bancá-los, mas não neste contexto de crise extrema que vive.

O silêncio dos órgãos de controle também preocupa. Nenhuma recomendação, absolutamente nada. Vão esperar essa loucura ocorrer, quando a situação se complicará, para agir ou tombarão inertes diante desse descalabro?

Lógico que o fácil neste momento é bater palmas e dizer que a AL está preocupada com os municípios. Mas, quando se analisa a situação fiscal e financeira do Tocantins e o fim a que deveria se destinar esses recursos em época de crise — aumento de arrecadação ou redução de custos —, fica mais do que evidente que a atuação do Legislativo como mecenas neste contexto não é o certo, responsável, coerente e de bom senso.

É como alguém, totalmente endividado, tomar empréstimo para ajudar terceiro também em situação ruim e para fins que não aliviarão a crise do outro, o que é pior. Ou seja, ambos continuarão em situação periclitante, sobretudo o que tomou o empréstimo. Esse é o raio X dessa distorção que estão fazendo com o projeto do empréstimo junto à Caixa.

Se a AL se recusa a fazer essa reflexão, pelo menos é necessário que a sociedade o faça.

CT, Palmas, 23 de agosto de 2017.

Com Eduardo presente em festa, Amastha adia convite para Walter Jr

CLEBER TOLEDO 22 de Aug de 2017 - 14h17
Comparilhe
Foto: Secom Palmas/Divulgação
A presença do deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM) impediu que o prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB), convidasse o ex-vereador e ex-candidato a prefeito de Gurupi Walter Júnior (sem partido) a se filiar ao PSB. Pelo menos é o que justificam os aliados de Amastha para o fato de o presidente regional do partido ter ido a Gurupi com este propósito e ter voltado de lá sem formalizar o convite.

“Amastha não se sentiu confortável em fazer o convite com o Eduardo lá e preferiu deixar para outra oportunidade”, contou uma pessoa próxima ao prefeito de Palmas.

Amastha e Eduardo estavam na festa de aniversário da irmã de Walter Júnior, no sábado, 19. O ex-vereador foi de mesa em mesa com o prefeito de Palmas para apresentá-lo aos seus convidados.

Redação: Palmas, Tocantins, Brasil, +55 (63) 9 9219.5340, +55 (63) 9 9216.9026, redacao@clebertoledo.com.br
2005 - 2017 © Cleber Toledo • Política com credibilidade
ArtemSite Agência Digital