Tonolucro

Tempo de espera, tempo de esperança

CRÔNICA 05 de Dec de 2017 - 10h18, atualizado às 07h54
Compartilhe
STELLA MARIS ROSSELET
É formada em Letras e professora aposentada
smrosselet@gmail.com

Com a aproximação do Natal, a globalização se faz sentir através de imagens, notícias, lendas de diferentes países. Nós, brasileiros, evocamos várias tradições europeias e americanas. Até mesmo neste calorão do Tocantins vê-se imitação de neve nas nossas árvores natalinas.

Sendo assim, talvez seja oportuno conhecer algo de alguma dessas tradições: a Coroa do Advento, cuja origem é alemã.

Advento significa “chegada” e é considerado pelos cristãos como o período de quatro semanas que antecede o Natal. Assim, em muitas casas coloca-se uma guirlanda ou coroa com quatro velas, as quais serão acesas seguindo um determinado ritual.

No primeiro domingo acende-se a primeira vela e depois, a cada domingo seguinte , será acesa mais uma vela, até o dia da comemoração do nascimento de Cristo. Todas as quatro velas acesas dispersarão luz e calor.

Dentre tantos textos e pensamentos relativos a esse belo costume, transcrevo este, bastante singelo, que nos leva a refletir:

“A lenda das 4 velas do Advento

Na sala, quatro velas iam se consumindo num candelabro. Reinava um silêncio profundo. A gente podia até ouvir a conversa daquelas lindas velas.

A primeira vela suspirando disse:

- Meu nome é Paz, mas tornei-me supérflua, já que a humanidade não deseja mais encontrar Deus. Minha chama não tem mais sentido. Ela se apaga.

A segunda vela disse:

- Meu nome é Fé, mas tornei-me supérflua, já que os homens não querem mais conhecer Deus. Minha luz não faz mais sentido. Ela se apaga.

Triste e com voz suave a terceira vela disse:

- Meu nome é Amor, estou sem forças para continuar acesa, os humanos me ignoram, eles só vêem a si mesmos e não o que deveriam amar. E a terceira vela se apaga também.

Uma criança chegou naquela hora e ficou muito triste com o que via. Com os olhos marejados disse:

- Velas queridas: o papel de vocês é brilhar, iluminar. Não podem nunca se apagar!

De repente ouvem a voz da quarta vela que diz:

- Não se preocupem! Enquanto eu estiver acesa poderemos acender as outras. Meu nome é Esperança.

A criança alegremente pegou a vela Esperança e acendeu a Paz, a Fé e o Amor.”

Feliz tempo de Avento para todos! 

Comentários

Redação: Palmas, Tocantins, Brasil, +55 (63) 9 9219.5340, +55 (63) 9 9216.9026, redacao@clebertoledo.com.br
2005 - 2017 © Cleber Toledo • Política com credibilidade
ArtemSite Agência Digital